Sem categoria

Cirurgias de redução de mama podem dificultar a amamentação?

Sim! Elas podem dificultar, mas isso não significa impedir.

Cirurgias mamárias como reduções de mama podem acabar cortando ductos lactíferos, que são como as ruas por onde o leite materno passa até chegar ao mamilo. Essa diminuição impacta diretamente na quantidade de leite a ser ofertado ao bebê durante a mamada.

Ao mesmo tempo, quando aréolas e mamilos são cortados podem ter suas sensibilidades alteradas. Consequentemente a resposta hormonal para a produção de leite que ocorre quando o bebê encosta no peito da mãe pode vir a ficar comprometida.

Existem, entretanto, técnicas que buscam ter um menor impacto sobre a lactação, por exemplo, quando aréola e mamilos não são completamente cortados e quando as partes inferiores do mamilo e da aréola permanecem intactas.

É necessário, portanto, discutir com a equipe médica caso a mulher decida fazer uma cirurgia de redução de mama e ao mesmo tempo tenha o desejo de amamentar no futuro.

Por fim, mulheres com redução de mama podem sim amamentar. Para isso é necessário ter o acompanhamento profissional de uma consultora em amamentação para que juntas tracem um plano de ação de estímulo para a produção láctea, através de estratégias como aumento da frequência e qualidade das mamadas, protocolos de estímulo com bomba elétrica e uso de galactogogos.

Existe ainda a possibilidade de um protocolo de ordenha de colostro a partir das 37 semanas de gestação, caso seja do interesse da gestante já ter em estoque colostro para oferecer caso seja necessária uma complementação. Para isso também é necessária a orientação de uma consultora em amamentação, pois esse protocolo não é para qualquer gestante e não deve ser feito sem supervisão profissional.

É essencial porém ter consciência de que, segundo Diana West, apenas 20% das mulheres com redução mamária conseguirão amamentar exclusivamente, o que não invalida em nada o sucesso da amamentação. Afinal, cada gota de leite materno oferecida a um bebê tem muita importância!

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *